O ciclo anual

Verão no Brasil

Entre Julho e Março, as andorinhas-azuis podem ser vistas aqui em diversos países aqui da América do Sul. Durante a sua estadia por aqui, ocorre a muda de penas. Os subadultos irão adquirir penas de adultos, os jovens, que estão realizando sua primeira viagem adquirem a plumagem de subadultos, e os adultos trocam as suas penas, que ficam um pouco desgastadas após a migração.

A troca de penas

Durante a sua estadia por aqui, ocorre a muda de penas. Os subadultos irão adquirir penas de adultos, os jovens, que estão realizando sua primeira viagem adquirem a plumagem de subadultos, e os adultos trocam as suas penas, que ficam um pouco desgastadas após a migração.

Preparando a partida

Em meados de março os bandos de norte a sul do Brasil começam a se preparar para a viagem de volta ao território reprodutivo na américa do Norte

Migração para a América do Norte

Depois de passar alguns meses no Brasil, a andorinha-azul começará sua longa migração de volta para a América do Norte. Há vários caminhos de migração que eles podem seguir: seguir a América Central e o México até os EUA, o caminho das ilhas do Caribe ou seguir a América Central até a metade, onde  cruzarão o Golfo do México até Louisiana e Flórida. Essa migração pode levar semanas ou meses.

Chegada dos adultos na América do Norte - Janeiro a Maio

Os primeiro adultos que chegam na América do Norte são chamados de “batedores”. Costumam ser as aves mais velhas, retornando à mesma região de reprodução do ano anterior.

Chegada dos subadultos - cerca de 4 a 12 semanas depois

Os subadultos são as aves que nasceram no ano anterior e retornam pela primeira vez aos Estados Unidos.

Construção do ninho - 4 a 6 semanas depois da chegada

A construção dos ninhos é feita dentro das cabaças e de cavidades construídas pelos seres humanos, utilizando galhos, palha e lama, e pode demorar até um mês para ser concluída.No oeste dos Estados Unidos, existem alguns grupos de andorinhas-azuis que fazem seus ninhos em cavidades naturais, porém isso não é observado em outras regiões da América do Norte.

Canto da madrugada

Durante a madrugada, os machos costumam emitir vocalizações que atraem outras andorinhas-azuis ao local da colônia. Este fenômeno se inicia junto com a postura dos ovos pelas fêmeas e dura até a chegada dos últimos subadultos.

Acasalamento

Acredita-se que o acasalamento se dá dentro das cavidades onde são feitos os ninhos. É um fenômeno raramente observado.

Postura e incubação

A postura ocorre após a cópula. As fêmeas colocam um ovo ao dia, por até seis dias.- Depois da postura do penúltimo, ou do último, ovo, as fêmeas começam a incubação. Apenas elas podem incubar os ovos. Os machos podem eventualmente cobrir os ovos por curtos períodos de tempo apenas para que a fêmea possa sair do ninho

Eclosão - 15 a 16 dias após incubação

Durante cerca de três dias, os ovos eclodem e os adultos começam a nutrir os filhotes.

Nascimento das primeiras penas - 26 a 32 dias

Cerca de 30 dias após o nascimento, os filhotes começam a ganhar suas primeiras penas. Este processo dura uma a duas semanas, e durante este período as novas aves ainda são dependentes dos cuidado dos adultos.

Formação de bandos - Julho em diante

Depois do nascimento das penas, as andorinhas-azuis deixam os ninhos e se reúnem em poleiros formando grandes bandos noturnos. O tempo que cada andorinha-azul passa junto com estes bandos é variável, porém o fenômeno é visível por cerca de seis semanas, às vezes mais.

A migração de volta para o Brasil

A partir daí, elas começam a sua longa jornada jornada para a América do Sul. Os primeiros indivíduos chegam entre julho e agosto, reiniciando o ciclo.